Será que a desvalorização do yuan afetaria o mercado brasileiro? Veja o panorama da crise chinesa segundo Ricardo Tosto

Especula-se que a correção nos mercados acionários da China seja proveniente de uma reação maior a desaceleração do país. Com o risco da desvalorização monetária, o Brasil e outros exportadores de commodities sofreriam diretamente o efeito dos preços praticados, explica Ricardo Tosto.
A grande preocupação com esse baque é a interferência nas atividades econômicas mundiais, podendo acarretar em redução de lucros empresariais e possíveis falências. O estrategista global Thierry Wizman, diz que mesmo com as medidas de incentivo a liquidez, não foi possível atingir o crescimento econômico esperado. Para o estrategista Marcelo Ribeiro, grande parte dos estímulos monetários fornecidos pelo governo destinados à produção foi utilizada para especulação em bolsas, gerando para muitas empresas mais lucros com as ações do que com as próprias operações.
Segundo o especialista em direito bancário e marcados de capitais, Flávio Maldonado, apesar dessa forte correção de preços nos mercados chineses, é difícil precisar a existência e os riscos reais do estouro de uma bolha.Wizman declara que mesmo considerando a restrição do país em relação à participação de investidores estrangeiros nos mercados de renda variável, supõe-se que a atual movimentação do mercado chinês pode impactar outras regiões, afetando o crescimento econômico. A comparação anual realizada apresenta queda real nas exportações chinesas, dando espaço à competitividade dos produtos europeus. Entretanto, a valorização do dólar americano possibilitou a ascensão do yuan, devido ao atrelamento de ambas moedas.
Na opinião de Ribeiro, a redução na exportação é um forte incentivo para desvalorização da moeda, possibilitando uma grande crise no setor de commodities. Com a redução do poder de compra dos chineses as exportações dos insumos seriam prejudicadas. Alguns executivos e especialistas no assunto afirmam que o Brasil sofreria diretamente os impactos do estouro da bolha, devido ao mercado elevado de commodities exportadas pelo país. De acordo com Ribeiro, o Brasil já está sentindo o efeito da queda nos preços de algumas importantes commodities.Ricardo Tosto complementa que dados apontam que desde meados de junho, os mercados acionários tiveram queda aproximada de 30%. Em comparação ao mesmo período de 2014, as bolsas encontram-se acima dos níveis apresentados, e com as empresas participantes do mercado de ações representando somente um terço do PIB chinês. Isto é, mesmo com toda crise, o baque das bolsas dificilmente afetariam o consumo interno, diz Ricardo Tosto.
Um dos motivos das correções atuais também está relacionado às novas regras impostas por algumas corretoras, obrigando muitos acionistas a vender suas ações para honrar as exigências estabelecidas. Na tentativa de amenizar a situação, as grandes corretoras chinesas e o banco central, divulgaram um pacote de 120 bilhões para compra de ações, e o estabelecimento de meta de elevação do índice Shanghai Composite para 4.500 pontos.
Ricardo Tosto afirma que o adiamento de ofertas públicas e as suspensões de negociações também tem feito parte deste cenário atual. Grande parte das interrupções ocorreu em Shenzhen, principalmente através de ações das small caps. A fatia do mercado acionário de investidores de pequenas empresas, representa cerca de 85% no país. Ou seja, essas paralisações nas negociações acionárias influenciam diretamente no aumento da volatilidade do mercado.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s